01
Jan

Com apenas uma respiração e utilização de força muscular, o mergulhador francês Guillaume Néry consegue mergulhar até uma profundidade de 410 pés. Com as suas múltiplas realizações mundiais e através de uma surpreendente combinação de arte de elite e video-arte, Néry promoveu a imensidão da natureza, mostrando que o corpo humano tem uma enorme capacidade de se adaptar á água e compartilhar os valores profundos que aprende no fundo do mar.

O seu vídeo Free Fall, mostra que ao mergulhar no vazio Blue Hole Dean, a baía mais profunda do mundo com 663 metros de profundidade. Visualizou e apreciou a beleza e o mistério deste lugar nas Bahamas. O seu vídeo, gravado pela sua esposa, Julie Gautier, foi visto 26 milhões de vezes no Youtube, mas como o casal disse num programa televisivo nos EUA, Outrageous Atc of Science, “a ideia não era tocar no fundo, mas sim criar um filme de arte diferente do que costumamos ver debaixo de água, redifinindo limites e ver o que há mais profundo possível.”

Apnea peso libre

A magia de mergulhar

Além de ser um campeão com bastante renome, Néry tem controlo absoluto do corpo sobre a mente, nas condições mais extremas, e afirma que segurar a respiração ajuda-o a parar de pensar e entrar num estado de completa paz e relaxamento.

Para Néry, o mergulho torna-se num género de conquista do universo e dá-lhe acesso a um espaço desconhecido e inexplorado. Quando foi ao programa TED, “The Exhilarating Peace of Freediving”, onde falou da sua experiência no fundo do mar a uma profundidade de 403 pés sem equipamento de oxigénio :”  Sinto-me como um pequeno ponto, um pedaço de poeira, espectáculo, flutuando no meio do cosmos, no meio do nada, na imensidão do espaço. É uma sensação fascinante, porque quando olho para cima e para baixo, para a esquerda e direita, para a frente e para trás, vejo o mesmo: o infinito azul profundo”.

O mergulho também permite que ele se conecte com outros valores, como a humildade, a aceitação do momento presente e o respeito pela tripulação:”Quando me encontro nessas profundezas…Eu sou uma pequena mancha de nada perdida em todo o tempo e espaço. E é….absolutamente fascinante.”

Não perca o vídeo em que Guillaume Néry explora a piscina Y40, a piscina mais profunda do mundo, num mergulho único sem equipamento de mergulho!